Distensão da Alma, 2022

“A distinção entre passado, presente e futuro é apenas uma ilusão teimosamente persistente.”

 

A frase é atribuída a Albert Einstein e ele referia-se, é claro, ao Tempo físico, quantificável e mensurável, e não ao Tempo intangível e filosófico, percebido como o campo das nossas vivências. 

 

Henri Bergson, contemporâneo de Einstein, defendia uma ideia completamente diferente, em que o futuro e o presente não existem, em que só há o passado. E em que somos, a cada momento, o resultado das vivências passadas.

 

Se assim for, então é indissociável pensarmos na enorme plasticidade da Memória. A tal que nos prega partidas, que umas vezes esconde e outras revela, que sobrepõe, mistura e chega mesmo a alterar as recordações que guardámos. Como se fossemos feitos de múltiplos planos que se sobrepõem, em que as impressões do que sentimos se intercalam e se vão modelando com o passar do Tempo e que dependem do estado emocional em que as evocamos

Justapor cinquenta e um desenhos e duas instalações que evocam noções tão distintas sobre o mesmo assunto não é inocente. Não é uma competição entre teorias de diferentes correntes de pensamento porque, há luz desta exposição, todas são verdadeiras, mesmo que se contradigam. Todas são verdadeiras, exatamente porque todas coexistem no Tempo.

ideia simples ideia complexa #1, 2021
ideia simples ideia complexa #2, 2021
ideia simples ideia complexa #3
ideia simples ideia complexa #4, 2021

Ideia simples, Ideia Compexa #1 a #4, 2021

acrílico, barra de óleo e carvão sobre papel

110 x 85 cm e 85x110 cm

O fascínio por estas matérias foi o fio condutor para as interpretações plásticas em que trabalhei nos últimos meses e que resultaram na seleção de trabalhos que agora exponho com o intuito, talvez um pouco provocatório, de nos tocar no ombro, mesmo que ao de leve, pedindo uma reflexão que perdure para lá da visita à exposição, que saia connosco e nos deixe a pensar… 

Afinal o que significa, para cada um de nós, isso do Tempo e da Memória?

dispositivo de tempo #1, 2021
dispositivo de tempo #2, 2021
dispositivo de tempo #3, 2021
dispositivo de tempo #4, 2021
dispositivo de tempo #5, 2021
dispositivo de tempo #6, 2021
dispositivo de tempo #7, 2021
dispositivo de tempo #8, 2021
dispositivo de tempo #9, 2021
dispositivo de tempo #10, 2021
dispositivo de tempo #11, 2021

Dispositivo de Tempo #1 a #11, 2021

guache sobre papel 

30 x 21 cm cada

(emoldurados)

Dispositivo de Tempo #12, 2020-2021
toner, guache e barra de óleo sobre  papel de arroz montado sobre papel de algodão e papel kraft 

126 x 178 cm

(emoldurado) 

dispositivo de tempo #12, 2021

Persistir no existir da Obra

 

Existem duas maneiras de abordar a materialidade do mundo/das coisas. Rodeando-as ou entrando nelas. Patrícia Magalhães escolhe entrar nas coisas, opta por penetrar na duração da matéria e não conhecê-la propriamente. Desta forma, faz voltar a consciência para a duração interior do “eu profundo”, esse lugar onde cada facto interpenetra outro facto. Nesta sua exposição “distensão da alma”, a artista procura a realidade das coisas fora do que se move, muda e fora dos nossos sentidos e do que a consciência percebe. A realidade que lhe interessa é a movente e a memória que visa é a persistente. Em ambas encontra a revelação, o intervalo, a duração…a diferença naquilo que se repete. No conjunto das suas obras podemos perceber uma estética da inexistência ou, de outra forma, uma estética do tempo reversível; contrária ao tempo que depende do movimento e em que o próprio ser do tempo é irreversível: tempo da degradação. Na realidade, Patrícia Magalhães quer libertar-se do tempo que caminha para a degradação e mergulhar num tempo-criação. Para haver tempo é necessário que haja movimento: blocos de espaço-tempo. Sempre que nós pensamos o tempo ― invariavelmente ― nós pensamos o tempo como sendo uma sucessão: alguma coisa que começa no passado; vem para o presente; e vai para o futuro. Sucessão é sinónimo de movimento. No plano da realidade quotidiana as dimensões do tempo passado, presente e futuro são muito fáceis de entender. Entendemos o tempo como se fosse uma sucessão. A sua passagem é regida pela lei da irreversibilidade, ou seja, sendo irreversível, ele só se movimenta para a frente. Deixa assim de haver retorno, quer dizer, o que foi não volta mais. O presente é sempre um "tempo-perdido", uma perda de nós próprios e dos que nos pertencem... A possibilidade que haveria de salvar este tempo que se perdeu é esgotada num momento anterior. O tempo trás consigo algo de ontologicamente sacrificial… de doloroso, numa dupla amplitude: como sofrimento do mundo e como intensificação da sua experiência.

Patrícia Magalhães ao aventurar-se num tempo-criação acaba por encontrar o seu problema/tema: se o tempo está intimamente ligado ao movimento, então libertar o tempo é vencer a degradação, entenda-se a morte (de si e da obra). O que a artista coloca nas suas obras são as vibrações do tempo e do pensamento: o tempo e o pensamento a vibrar. Não tem como questão representar aquilo que observa, mas libertar o invisível da natureza – e esse invisível são as forças do tempo e as forças do pensamento. Neste processo, o tempo vai perder a regularidade ao separar-se do movimento e libertar-se no sentido de ganhar pensamento. Para a artista pensar é sinónimo de conquista de tempo na arte e contrário ao senso-comum que vive na lógica da sucessão (repetição sem criação).  É pois na Durée que o pensamento tem a possibilidade de se libertar do movimento. Nesse intervalo que se quer longo a criação e a obra de Patrícia sobressai. Nesse pequeno intervalo preenchido por afetos-memória/forças intemporais, a artista, mais do que tentar perceber o mundo, torna-se vidente, pois ao querer conhecer a duração das coisas, vai ver o que outros não vêem e assim tocar o fundo do tempo para nelas (coisas) entrar. Deste modo, ocorre um conjunto de obras que são pura memória actualizada, reinterpretação – subjectividade autentica…persistir no existir da memória feita em Obra. É, pois necessário organizar a nossa subjectividade pois todo aquele que tem o poder sobre o tempo torna a sua vida bela.

  

Pedro Miguel Arrifano

Professor Investigador Integrado 

Centro de Humanidades / NOVA FCSH-UAc 

Grupo de Investigação: Pensamento Moderno e Contemporâneo
Áreas de Investigação: História da arte, História do pensamento filosófico
História e teoria das ideias

back.JPG
dispositivo de tempo #13, 2021

Dispositivo de Tempo #13, 2021


toner, caneta e corretor sobre papel 

1270 x 1782 cm

IMG_8078
cone da memoria #1, 2021
cone da memoria #2

Cone da Memória #1 e #2, 2021

guache sobre papel 

30 x 21 cm cada

(emoldurados)

 

NOT a self portrait, 2021 

(34 desenhos, 42 x 29,7 cm e 42 27,8 cm), guache sobre papel 

dimensões variáveis

Fazes-me falta, 2021  

texto escrito a tinta permanente sobre cadeira, almofada e manta de croché

dimensões variáveis

CATÁLOGO